X-Men Noir: veja como os anos 1930 trataram os mutantes do Professor Charles Xavier

Depois de lançar a versão anos 1930 do bom e velho Peter Parker em Junho – veja nossa resenha de Homem Aranha Noir aqui – a Panini traz para nós a versão Noir da equipe mais bem sucedida do universo Marvel, os X-Men. Em X-Men Noir, prepare-se para umavirada mais profunda ainda do que a do Homem Aranha: se afastando muito do gênero dos super-heróis e abraçando o estilo pulp e filmnoir, esta história impressiona do começo ao fim.

A trama se passa na Nova Iorque de 1937 e gira em torno do misterioso assassinato de Jean Grey, encontrada em decomposição às margens da ilha de uma penitenciária desativada. A falecida Srta. Grey, porém, não é uma jovem comum, mas uma dos X-Men, os jovens treinados pelo mal-visto psicólogo professor Charles Xavier. As semelhanças acabam por aí, uma vez que ao invés de instituto para jovens superdotados, o Professor X aqui era diretor de um reformatório; ao invés de estudioso de mutações genéticas, Charles se dedica ao estudo dos sociopatas, que segundo sua tese, seriam o próximo passo da evolução humana, capazes de superar o homo sapiens através da manipulação e da adaptabilidade social.

Numa cidade dominada por políticos corruptos controlados pelo Clube do Inferno de Sebastian Shaw (notório vilão espalhafatoso das histórias originais, aqui transformado em criminoso de altíssima renda e hedonista), a investigação do homicídio de uma suposta pária não é nem de longe a prioridade. Ainda mais considerando que o investigador chefe da polícia local é Eric Magnus, comprometido até o pescoço com o Clube do Inferno e líder do braço armado de Sebastian Shaw na polícia, a Irmandade. Fica, enfim, por conta de Thomas Halloway, repórter, investigar a morte da moça e toda a rede de relações que cercam o fato.

X-Men Noir é escrito por um genial Fred Van Lente – que trabalhou em Marvel Zombies e na versão em quadrinhos de Cowboys e Aliens – que consegue criar o melhor clima depressivo e misterioso do Noir em uma história intrincada que mantém o leitor se questionando sobre tudo e todos. X-MenNoir vai ser delicioso para fãs do grupo mutante, que vão se maravilhar com a engenhosidade na adaptação dos diversos personagens (Remy Le Beau, o Gambit, parece mais natural aqui do que na versão original…). Por outro lado, os não iniciados poderão aproveitar tranquilamente uma história de mistério e corrupção banhada bem de leve num certo exagero de ficção científica.

Os desenhos ficam com Dennis Calero – que trabalhou no X-Factor de Peter David – e impressionam do começo ao fim. A composição das páginas é ótima e o uso das cores enche os olhos. O uso dos quadrinhos pelo autor dá o ritmo lento e sensual da trama de maneira brilhante e a paleta sombria emula perfeitamente a fotografia do filmnoir sem deixar de ser original e única à sua maneira.

 

Leia também:

Oceano: ficção científica de alto nível nesta história em quadrinhos por Warren Ellis e Chris Sprouse

Hellblazer Pandemônio: John Constantine vai ao Iraque e encontra o Inferno

 

X-MenNoir é uma adaptação ótima e muito criativa, que consegue dar papéis convincentes e interessantes a personagens consagrados em uma ambientação completamente diferente da tradicional. Ao mesmo tempo, é simplesmente um maravilhoso trabalho de História em Quadrinhos que pode, e deve, ser aproveitado por qualquer um, fã dos X-Men ou não. Vale muito a pena ser lido – e vale mais ainda ler uma segunda vez para mastigar melhor a trama e saborear cada transição de quadrinhos.

Com um toque a mais de criatividade, Bolivar Trask – nas histórias originais um gênio anti-mutante radical – aqui é citado de leve como autor de ficção científica e ao fim do volume somos presenteados com um de seus contos, que mostra uma sociedade que se ampara na eugenia para criar humanos superiores, mescla dos melhores traços de todos os povos do mundo.

Lançado pela Panini este mês num encadernado de capa dura que reúne as edições 1 a 4 da minissérie original X-MenNoir, sai por R$19,99 nas bancas e livrarias.

Advertisements
Comments
10 Responses to “X-Men Noir: veja como os anos 1930 trataram os mutantes do Professor Charles Xavier”
  1. Joaoseya says:

    Panini mandando ver no encadernados hein? Tipo, aquele do Marvel Terror, não comprei, mas me pareceu muito bom. Ótima resenha, aliás =]

  2. Acabei de comprar, espero gostar tanto quanto vocês. O preço da Panini está excelente, levando em conta a qualidade do material. Tem um povo na internet reclamando da arte. Eu particularmente gostei bastante olhando meio por cima. Agora fico esperando a chegada à minha cidade de Hellblazer: Pecados Originais Vol.1!

    • DanielQSF says:

      Achei a arte linda, é bem sombria e bem pesadona, dá muito bem o clima da história e do estilo film noir.
      Também somos fãzaços de Hellblazer por aqui, você deu uma olhada na nossa resenha de Hellblazer pandemonio?
      Um abraço! Valeu pela visita!

      • Acabei de ler. Deve ser ótima também, mas nunca chegou (ou pelo menos eu nunca vi) nas bancas da minha cidade. Mas quanto a Pecados Originais, já pedi aos jornaleiros para guardarem uma pra mim assim que chegar. Eu gosto muito do clima das histórias de Hellblazer, além de que sempre têm algo a mais do que apenas uma boa história e humor afiado.
        Adoraria receber uma visita de vocês nos meus blogs. Um que eu faço sozinho (embora esteja meio parado): http://euriencityinfinity.blogspot.com/
        E com um amigo: http://caldeiraofuradoplus.blogspot.com/
        O primeiro é mais sobre filmes, livros e o que me der na cabeça de postar, enquanto o segundo ainda é meio novo, e é mais sobre quadrinhos.
        Também comprei hoje a edição 21 da Vertigo mensal. Estou esperando faz tempo pra ler Joe, O Bárbaro. Pretendo colocar no segundo blog ainda hoje as minhas primeiras impressões. Se visitarem, comentem lá!
        Até mais!

      • DanielQSF says:

        Foram devidamente visitados e comentados hehe!
        Gostei muito dos blogs, vcs escrevem muito bem e analisam os filmes e quadrinhos de um jeito bem complexo, sem cair no opinionismo puro e simples.
        Parabéns!

        PS: nós discordamos do X-Men Primeira classe em alguns pontos, hehe. Mas é a vida não é mesmo?

  3. Dani Gianini says:

    Noossa se vc achou bemmm melhor, acho que vou pirar!!!

  4. Daniela Gianini says:

    Aiii que historia looooucaa, não vou ler o post até o final, senão vou pirar =/

  5. Daniela Gianini says:

    Não consigo nem imaginar!!! Se for tão bom quando o do Homem Aranha, socorrooo!!!!

Trackbacks
Check out what others are saying...


Deixe um comentário

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: